12 agosto 2009

Uma boa companhia de Viagem.

Aqui estou eu, de volta ao meu cantinho.
Estas duas semanas foram tão preenchidas, sempre a andar daqui para ali, dali para acolá, mas cá estou, feliz e contente!
É claro que tive que levar um livrinho comigo, e decidi levar “Uma Casa na Escuridão”, do José Luís Peixoto, acabei logo de o ler naquelas semaninhas.
Eu adoro os livros do José Luís Peixoto!
Sempre que os acabo de ler sinto-me tão imensa!
Deixam-me completamente sem palavras, fico a ver o mundo com outros olhos, a vida já tem outro sentido, as horas passam-se de forma diferente, parece que tudo se transporta da escrita para a realidade.
Este livro não ficou nada atrás dos anteriores, bem pelo contrário, deixou-me mais uma vez completamente encantada.
“Uma Casa na Escuridão” é um belíssimo romance poético, com uma bela sonoridade e visualismo que nos deixam maravilhados.
As palavras são tão melodiosas e agradáveis, que nos confortam e apaziguam.
Conseguimos presenciar a junção do belo e do horrível, da paz e o sossego, do amor e do ódio, da ternura e da frieza…tudo isto se encaixa perfeitamente.
Somos surpreendidos com algo novo: algo que nos encanta, e nos toca profundamente.
José Luís Peixoto, conta-nos a história de um jovem escritor que vive um amor irrealizável.
Este jovem escritor apaixona-se por uma espécie de personagem que ele cria dentro do seu interior, e só consegue vê-la e senti-la através da escrita.
É dentro da “casa na escuridão” que toda a acção se desenrola.
As noites passadas a escrever, tentando comunicar e ver a sua misteriosa amada, a sede da escrita, a vontade, o amor, o sofrimento, a esperança…
Somos deliciados com todo este enredo, as belas “confissões” de amor, o toque, o olhar, as palavras…conseguimos aperceber-nos do imenso poder das palavras.
Mas para além de toda esta harmonia idealizada, para além deste amor tão puro e verdadeiro, temos a crueldade, a dor, o sofrimento, a miséria…
Toda esta obra é recheada de luz…e de escuridão.
Dentro de uma casa, onde já não resta esperança, nem sequer amor…resta-nos o medo, o desalento…a escuridão.
Adorei, adorei, adorei…e adorei!
Fica aqui uma sugestão para este Verão.

«E, entre o fogo, atravessando as chamas, vi o rosto daquela que desaparecera dentro de mim. O seu corpo. O seu vestido leve a moldar-lhe cada forma do corpo. De encontro às chamas, os seus cabelos longos e lisos. O seu rosto: os olhos, os lábios. Olhou para mim. Eu vi os seus olhos parados em mim. Estava diante de mim. Nunca a distância que nos separara havia sido tão curta. Eu não tinha braços para lhe estender. Eu só tinha os meus olhos para a abraçar. Os nossos olhos eram atravessados pelo corpo fino das chamas que se levantavam no quarto. Ela disse a tua vida foi muito importante. Eu amava-a ainda. Ela disse deste a tua vida para entender que o amor é impossível. O amor é o sangue do sol dentro do sol. Algo dentro de qualquer coisa profunda. Ela disse desta a tua vida para entender que o amor é a solidão. Ela disse estavas certo desde o início, o amor é tudo o que existe.»

8 comentários:

Débra disse...

Porque tens sempre posts fantásticos? :D

Anônimo disse...

já li esse livro, e é fantástico!
adorei mesmo :)

Tani disse...

obrigad apela sugestão, vou lê-lo porque também gosto muito de José Luis Peixoto :)


J tinha saudades tuas por estas bandas!

Poppins disse...

Eu já li, e adorei. :D
Obrigada pelo comentário. Eu também gostei muito do teu cantinho! *

flavie disse...

ahah :p adorei o blog, parabéns. :)

Tani disse...

tinha mesmo :) Gosto, mesmo :D

deborah disse...

aquela frase toca-me muito. às vezes até me vem lagrimas {-.-

Laila disse...

futura profissão? CRÍTICA LITERÁRIA.
Podes fazer isso enquanto estás a ajudar criancinhas em África-
o mundo seria bastante melhor (:

já tenho saudades outra vez e quero saber de novidades da tua paixão.

adoroteee