19 fevereiro 2009

Apontamento


"A minha alma partiu-se como um vaso vazio.

Caiu pela escada excessivamente abaixo.
Caiu das mãos da criada descuidada.
Caiu, fez-se em mais pedaços do que havia loiça no vaso.
Asneira? Impossível? Sei lá!
Tenho mais sensações do que tinha quando me sentia eu.
Sou um espalhamento de cacos sobre um capacho por sacudir.
Fiz barulho na queda como um vaso que se partia.
Os deuses que há debruçam-se do parapeito da escada.
E fitam os cacos que a criada deles fez de mim.
Não se zanguem com ela. São tolerantes com ela.
O que era eu um vaso vazio?
Olham os cacos absurdamente conscientes,
Mas conscientes de si mesmos, não conscientes deles.
Olham e sorriem.
Sorriem tolerantes à criada involuntária.
Alastra a grande escadaria atapetada de estrelas.
Um caco brilha, virado do exterior lustroso, entre os astros.
A minha obra? A minha alma principal? A minha vida?
Um caco.
E os deuses olham-o especialmente, pois não sabem por que ficou ali."

Álvaro de Campos

É impossível ficar indiferente a este poema e a tantos outros.
É por isso que Álvaro de Campos é o meu Heterónimo favorito de Fernando Pessoa, simplesmente fascinante *-*
Porque a nossa vida é tudo isto, baseia-se no tédio, no cansaço…na dúvida, na procura…mas afinal o que somos nós? Um “espalhamento de cacos” ?
Ou talvez um “vaso vazio”…?
Quiçá, nunca saberemos qual é o nosso “lugar” e muito menos o nosso “papel”…

5 comentários:

ParadoXos disse...

sem dúvida - genial!!

simmmm... genialmente poético!!
boa escolha.


hás-de ler o "tabacaria"

beijos

Filipa Nogueira disse...

Fernando Pessoa é confuso, os heterónimos são claros e concisos, sem dúvida uma boa escola .

Cacos ou vasos, importante é que somos coisas pensantes .

Lizzie disse...

Tenho de ler este e o post anteior. Ando sem tempo, para veres, só agora é que venho responder ao teu comentário sobre a "história" XD

Eu talvez poste qualquer coisinha, mas os finais mais felizes uhmmm isso já não sei se dá. :P Acho que o mais feliz que escrevi em toda a vida foi o schizophrenia porque não matei a rapariga e até casei-a e meti-a rica e tal xD e deixei aquilo com um fim meio solto, para quando me apetecer escrever mais XD

*

Aquarela disse...

ai gostas deste poema?

então vais curtir este link, que eu descrobri a pouco pok também adorei o poema e andei feita louca a porcura da cantora pok n sabia o nome da mulher:

http://www.youtube.com/watch?v=qL-cB3OIG2s

Enjoy :)

Lizzie disse...

Já sabes qual é o meu favorito pelo dA, mas o Campos também é muito bom. Concordo com o que falas no que toca à fase intimista. Porém, detesto grande parte das ideias futuristas dele, não consigo relacionar-me com nada.
Acho que percebeste o que quis dizer :P