25 janeiro 2009

Esgotada

- Monólogos Interiores -


“Fecha-me a sete-chaves e deixa-me aqui…”

As janelas rangem e o vento entra sem cessar, balança-me os sentimentos e parte-me os sentidos.Engulo a vida de um trago só e agarro-me ao que me resta…a dor.

“Fecha-me a sete-chave e deixa-me aqui eternamente…”

Deixa-me aqui a reflectir, quero estar só, quero pendurar a minha existência no tecto.Deixa-me ali a falar com o meu “eu” sonâmbulo e vagabundo. Quero sussurrar-lhe inúmeros “porquês”, olhando pela janela e encostando-me á parede escura, que a solidão encobrira.Sinto a tinta a estalar…A tinta azul-escura das minhas lágrimas, que navegam pelo meu rosto pálido.Fico ali…a pensar no sentido da minha enfada amargura.A respiração cardíaca aumenta e dilata o meu peito.Não me entendo (…)O vento tenta aproximar-se,(eu sinto-o).No meio daquela incapacitada escuridão, ele tenta reanimar-me,(já não sinto nada).Fecho os olhos e lembro-me…A minha mente enrola-se no passado como as roupas se emaranham numa máquina de lavar.Sinto o coração a contrair-se.

“Ouves este som? É o Som da Esperança…”

Eu não ouço nada.Não entendo.Não me entendo a mim própria, quando mais entender os outros.Será que eu me quero compreender? E os outros?A Dúvida…A Evasão…

“Fecha-me a sete-chaves e deixa-me aqui…”

Baixei a cabeça e passei as mãos pelos ouvidos, proibindo a passagem turbulenta do vento.Um zumbido enorme, vinha da janela.Uma voz…

“Não te isoles.”

Proibi a entrada daquela voz, uma voz de um passado não muito longínquo.Queria isolar-me, a mim e ao meu subconsciente.Era como se estivesse em coma, no meu próprio coma espontâneo.Imagens intocáveis flutuavam na minha mente.Sinto o batimento cardíaco a acelerar.Perco as forças e parte do raciocínio.“ Porquê?”Devido á minha excessiva tentativa de querer obter uma resposta concreta,Nunca vou conseguir ultrapassar a tua ausência…

“Fecha-me a sete-chaves e deixa-me aqui…quero ficar aqui isolada eternamente…não quero nem sequer sentir o teu cheiro…abandona-me mais uma vez e nunca mais retornes.”

Hoje queria contar-te que não me importo…hoje nada disto tem significado ou qualquer importância...neste momento quero apenas que me deixes...

7 comentários:

Filipa Nogueira disse...

“Fecha-me a sete-chaves e deixa-me aqui…quero ficar aqui isolada eternamente…não quero nem sequer sentir o teu cheiro…abandona-me mais uma vez e nunca mais retornes.”

Espectacular, adorei :D

Filipa Nogueira disse...

Ainda bem que partilhamos da mesma opinião, ao menos não nos vendemos :D

Filipa Nogueira disse...

TOKIA *--*

Lizzie disse...

Não tens de agradecer, se eu leio é porque me desperta curiosidade, logo, eu é que tenho de te agradecer a ti por escreveres coisas interessantes. (:

Quanto a este post, sinceramente, ADOREI. Nem sei bem o que dizer acerca do que acabei de ler. Digo-te apenas que me identifiquei com algumas passagens.

JPGomez disse...

oh, também leste os 3 primeiros da saga do Crepusculo. São tão lindos :$

Sim, isso é que vida. Estive inspirado olha xD

JPGomez disse...

Quero tanto o quarto livro, rs. :$

Filipa Nogueira disse...

Sim sim, já nos conhecemos há séculos. :D Ainda bem que estou diferente, great news.